Experiências finais para alcançar a vitória

Derradeira etapa do Brincar na Cozinha com Teka realiza-se a 19 de setembro em Lisboa. Sem desvendarem a receita, as famílias revelam os ingredientes que vão usar para conquistar o júri.

Estão apuradas as quatro famílias que vão disputar a grande final do passatempo Brincar na Cozinha com Teka (Foto: Filipa Bernardo/Global Imagens)

As receitas estão na ponta da língua e prometem fazer crescer água na boca. Em contagem decrescente para a final do Brincar na Cozinha com Teka, as famílias preparam-se para rumar a Lisboa e unir-se ao redor do fogão para confecionar as iguarias uma última vez. Até lá, ainda há tempo para algumas experiências, sem nunca esquecer o desafio lançado pelo júri: cortar no açúcar e no sal, apostando num prato saudável e aproveitando os produtos da época.

Em Vieira do Minho, o repto levou Ana Cristina Sousa e a filha, Leonor, a abdicar da confeção de bolachas húngaras. Para a derradeira etapa, a dupla vai apostar numa confeção “saudável”, composta por legumes, peixe e batata doce. O preparado demora uma hora e meia até ficar no ponto e já passou no crivo do marido e dos filhos. “Eles gostam muito de peixe e, como a receita não tem espinhas, apreciam ainda mais”, assegura Ana Cristina.

As tarefas também já estão definidas entre mãe e filha. “Eu faço as coisas mais perigosas e ela ajuda-me”, conta Ana Cristina, admitindo estar “ansiosa” pela prova final.

A equipa Happy Family, de Vieira do Minho, está ansiosa pela final em Lisboa. Mãe e filha darão protagonismo ao peixe
(Foto: Cristiana Milhão/Global Imagens)

Iguarias típicas mas não pesadas

Em Vila Real, Catarina Morais e a pequena Mafalda preparam um petisco tradicional. A iguaria faz parte das memórias de infância da mãe. “É uma receita que costumava comer em pequenina, mas que não sabia fazer. Era a minha avó que fazia e estamos agora a recrear”, conta Catarina.

Até à escolha da receita, o processo foi longo. Mãe e filha meteram mãos à obra em março, logo após a semifinal, e procuraram inspiração em revistas de culinária. “Fizemos uma quiche de salmão com espinafres. Comemos um bocado e depois não comemos mais. Fizemos também um folhado, mas ficou intragável”, diz Catarina Morais, a sorrir.

A dupla pensou ainda em cozinhar peixinhos da horta. Para tornar o prato mais saudável, ao invés de fritar, ponderou assar o preparado no forno, mas o resultado ficou aquém do pretendido. “Fizemos várias tentativas. Experimentamos fazer coisas com quinoa e farinha integral, mas a verdade é que aquilo não nos chegava ao coração”, recorda Catarina Morais.

Foi então que, postas as modernices de parte, a equipa começou a pensar em iguarias típicas portuguesas, mas não “muito pesadas”. Para recrear a receita da avó, Catarina recorreu à memória. “Lembro-me do sabor a alho, do azeite e dos ovos cozidos”, diz a mãe da Mafalda, confessando que, em casa, a família é “defensora das comidas tradicionais e dos produtores locais”.

“Os nossos vizinhos já provaram a receita e gostaram muito. Eles concordam que levemos isto à final porque representa Trás-os-Montes”, garante Catarina Morais.

A família M&M testou pratos modernos mas acabou por escolher uma recriação da tradição transmontana
(Foto: Rui Manuel Ferreira/Global Imagens)

Muito lá de casa

Rumo a Sul, na casa dos Gonçalves, a receita vai incluir legumes e colorir o prato. A ideia partiu da mãe, Vera, que forma equipa com os dois filhos, Inês e Pedro. O petisco promete surpreender, tal como a piza de legumes com aproveitamentos que conquistou o paladar do júri na semifinal. Um dos ingredientes chave – os espinafres – cresce no quintal da família.

“Somos muito apologistas do sem carne mas [este prato] leva um bocadinho de bacon para dar sabor. Tentamos fazer a maioria das nossas receitas sem carne. Fazemos muito peixe, mas reduzimos muito a carne cá em casa. Por isso, não fazia sentido levarmos carne”, diz Vera Gonçalves.

À semelhança dos outros concorrentes, a iguaria para conquistar a final também mudou ao longo do tempo. “No início, tínhamos pensado em fazer lasanha com várias camadas de massa de várias cores. Mas depois aquilo não correu muito bem.”

A Família Gonçalves deixará a carne em segundo plano, concentrando-se em ingredientes do seu quintal, em Faro
(Foto: André Vidigal/Global Imagens)

Ouro sobre azul

Já o preparado da família Cook L&L vai centrar-se nos cogumelos, na batata doce e nos legumes. “É uma receita que faço muitas vezes, mas nunca tinha associado com a batata doce. Normalmente adiciono carne. Desta vez, vamos mesmo tentar eliminar a carne e compensar com umas ervas aromáticas”, revela Helena Fernandes, confessando que a filha, Lara, não gosta de cogumelos.

Até à final, a dupla Cook L&L vai treinar mais “uma ou duas vezes”. Conquistar o pódio, admite Helena Fernandes, seria “ouro sobre azul”: “A experiência tem sido engraçada e gratificante. Tem sido bastante interessante”.

A dupla Cook L&L, do Porto, vai centrar-se em cogumelos, na batata doce e nos legumes. Uma receita já bem testada
(Foto: DR)

Regulamento

Estão apuradas as quatro famílias que vão disputar a grande final do passatempo Brincar na Cozinha com Teka. Paris Brest, piza de legumes com aproveitamentos, língua da sogra e pavlova de frutos vermelhos foram as quatro especialidades que conquistaram o paladar dos jurados nas duas semifinais. Os finalistas regressam a Lisboa, no sábado dia 19 de setembro, para lutar pela vitória, com novas iguarias. O melhor prato será premiado com uma viagem da agência Abreu, no valor máximo de três mil euros, e um vale de dois mil euros em eletrodomésticos da Teka. As restantes sete finalistas recebem um voucher de mil euros, também em eletrodomésticos.